Início | Versos | Prosas | Músicas | Sobre Mim Voltar ao poema original      


Vendo a Vida através da Janela do Avião

Então o que encontro são as velhas ilusões
em todas as cores novas que tenho avistado.
E eu só descubro os mesmos velhos verões
em todas as estações que tenho passado.

Eu tinha sonhos e tentava torná-los reais,
agora acho difícil ser real até eu mesmo.
Meus planos morrem logo, ficam banais,
as inspirações que tenho se vão a esmo.

Vamos lá tempestades, vamos lá estiagens,
vamos lá egos, vamos achar nova morada!
Arrumem as malas, confiram as passagens,
vamos em frente: será uma longa jornada!

O coração ainda bate pela manhã cedinho
e me pego pensando na velhice ao anoitecer.
Eu contemplo o horizonte do meu caminho
sem pensar em nada do que pode acontecer.

E como não há luz pra clarear minha peleja,
acabo acreditando em qualquer possibilidade,
por mais absurdamente louca que ela seja.
Afinal, eu nem sei mais o que é realidade...

Abandonei a sanidade por medo da solidão
e agora vivo a flertar com as minhas loucuras.
E, depois de tudo, continuo indo sem direção,
mas pelo menos eu vejo a vida das alturas.


(Júlio B.)
www.000webhost.com