Início | Versos | Prosas | Músicas | Sobre Mim


Sorriso De Realidade

Um pé atrás,
os dois pés atrás.
Estava boa a minha paz.
Não queria me machucar mais.
Cansei de apanhar da realidade voraz.
O machucado coração não queria outra empolgação fugaz.

Anjos não existem.
Quando existem, são proibidos.
Quando são permitidos, já estão acompanhados.
É assim, sempre foi assim e será até o fim!
O meu estigma malfadado.

Mas toda vontade estava em mim.
Não resisti, eu disse sim à tentação,
ao desejo que não se cala perante a razão.
Tovacam canções que me tocavam, e não tive chance.
Eu me virei e vi a beleza do mundo de relance,
à minha frente, mas não ao meu alcance.

Bizarra impressão amorosa.
Olhos cor do céu e lábios cor-de-rosa.
Ó, tentação cruel, ver e não poder tocar!
Não queria me machucar, mas era tanta beleza!
Logo a noite ia acabar, mas não minha libido acesa.
A cobiça era o jantar e a solidão de sobremesa.

Mas no frio do amanhecer negro-grená,
o dia que o sol ainda não pôde alcançar,
lá estava o anjo, e estava livre e desimpedido.
Mas anjos não existem, e quando existem, são proibidos.
Quando são... ah, vá se danar! Ele estava lá!

É difícil acreditar quando se tem o corração surrado.
É difícil, não vou negar, mas eu sou esforçado.
Procurei coragem por todo lado, em cada palpitação,
é complicado falar com anjos, mas é melhor que a solidão.
Chamei, ele se virou, cabelo nos olhos, a completa perfeição.
Eu o tive como ouvinte por um instante, mas o que dizer então?

- "Você é muito lindo!", eu disse, com prazer,
por se tratar exatamente do que eu queria dizer.
Ele sorriu, eu sorri também, e nos saldou o alvorecer.
Nenhum dos dois sabia o que fazer, e foi apenas isso.
Um elogio sem compromisso, e cada um seguiu seu caminho,
ele com outros belos anjos e eu sozinho.


(Júlio B.)
www.000webhost.com