Início | Versos | Prosas | Músicas | Sobre Mim


Lira Aos Meus Vinte Anos (À Morte Da Inocência)

O que eu temia está agora aqui.
Morre a inocência.
Hoje completam-se exatos vinte anos da minha peregrinação,
da minha resistência a essa vida que desde sempre me foi adversa.
Vinte anos de luta, de tentativas, de buscas incansáveis...
O que encontrei?
Ao longo do tempo, por meu esforço e intermédio do acaso,
diluídas em um mundo cruel de aparências e contrastes,
eu encontrei muitas dificuldades e algumas poucas belas joias.
Ah, mas as joias foram tão belas que fizeram valer a pena o resto:
os vinte anos durante os quais testemunhei a morte da inocência.
Eu a vi envelhecer e se esvair entre meus dedos
a cada aparente vitória, a cada silenciosas derrota,
a cada pouca e arriscada conquista,
a cada cicatriz (e foram tantas!).
Vivi através de cápsulas inventadas de situações e subterfúgios
onde eu escondia o que precisava para manter viva a esperança.
Foram vinte anos conciliando meu tempo, minhas vidas,
meus desejos secretos, minhas necessidades oblíquas...
E o que eu avalio de tudo agora?
Penso que fiz o que pude, oras!
Eu tentei salvar a inocência,
mesmo sabendo que era impossível.
Foi arriscado ter me exposto,
mas acho que as loucuras valeram mais a penas do que as desistências.
Sei que fiz mais do que se esperaria de alguém na minha situação,
sei que cometi insanidades e corri perigos em nome dos meus desejos,
sei que fiz mais do que uma pessoa pode fazer para tentar ser feliz.
Eu aprendi minhas lições e me admiro por isso.
Parabéns para mim.
E para cada portador de inocência cujo caminho eu cruzei,
e para cada portador de inocência cujo caminho eu cruzar,
eu desejo dias felizes e reencontros.
É a vocês que dedicarei as congratulações que hoje eu receber.
Só a vocês eu me mostro, só vocês me satisfazem, me realizam.
Eu vi a inocência morrer em cada um de vocês,
mas quem sabe ela se revitaliza de corpo e mente
e encontra uma nova chance para o coração?


(Júlio B.)
www.000webhost.com