Início | Versos | Prosas | Músicas | Sobre Mim


O Que Eu Ainda Não Tinha Visto

Então agora é esse o meu tormento!
Está doendo, e uma dor que nunca tinha sentido antes...
Tenho um aperto no peito e me sinto tão fraco.
Sinto que sou tão sensível,
mas tudo ao meu redor me torna bruto, e tudo me quer bruto,
e só o que posso fazer é não me render.
Represento a situação que for necessária,
construo ou transponho a barreira que precisar,
tudo pra manter a minha essência intacta.
Às vezes, me canso dessas coisas todas,
e da injustiça que pesa sobre minha cabeça.
Não sou eu quem está errado,
são os que inventam as regras que proíbem os amores.
Machuca muito saber que nunca me aceitarão.
Não pedi pra ser diferente, apenas sou.
Não pedi nada, só estava em busca de mim mesmo e dos meus sonhos.
Demorei pra me encontrar, mas depois da queda, eu achei.
E o resto eu nem sei....
Por favor, não vá pensar que tudo isso é só por ser gay.
Tudo é muito mais complicado do que eu podia supor.
Que culpa eu tenho de sentir o que sinto?
Não estou indignado por ser assim, por ter nascido assim,
estou indignado é por não percebem que eu não tive escolha,
que eu sou tão vítima quanto todos,
que eu também tenho sentimentos!
Só porque meus sentimentos são diferentes
não quer dizer que eles não devam ser considerados!
Eu também tenho lágrimas...!
E tão verdadeiras quanto as de qualquer Romeu.
Eu também tenho desejos,
e por mais estranhos que pareçam, são o que eu sinto,
e gosto de senti-los.
E eu me amo assim, como eu sou.
É difícil ser tão diferente nesse mundo, é triste!
E que pessoa triste eu sou!
E mesmo que eu continue tentando sorrir,
e mesmo que eu alimente esperanças,
eu tenho um mau pressentimento de que nunca terei o que quero,
pois por mais que eu me esforce,
sempre serei derrubado pela ignorância e hipocrisia.
É, é isso aí, mas eu ainda não desisti!
Ainda posso ficar mais esperto.
Quem sabe eu tenha uma outra chance?
Quem sabe eu não nasça uma outra vez?
E dessa, quem sabe, eu seja jogado num mundo cujas regras me aceitem?
Então tudo seria mais fácil:
eu poderia continuar sentindo o que sinto,
mas os preconceitos e egoísmos do mundo não me condenariam.
Um mundo onde eu pudesse dizer a todos o que eu realmente sinto,
e pudesse ver de outra maneira o que eu ainda não tinha visto!
O que eu ainda não tinha visto?

Eu não tinha visto que ele estava me enganando.
Eu não tinha visto toda aquela crueldade.
Eu não tinha visto as raízes de tanta maldade.
Eu não tinha visto a coincidência armada.
Eu não tinha visto meu excesso de confiança numa pessoa má.
Eu não tinha visto o cinismo em seus modos.
Eu não tinha visto que faltava algo da parte dele.
Eu não tinha visto a falta de inocência em suas intenções.
Eu não tinha visto que não era nada do que eu havia sonhado.
Eu não tinha visto que não era amor.

Mas, ah...!
Aquele olhar dissimulado,
aquele dedo apontado,
aquele rancor inventado,
aquela covardia do outro lado...
Aquelas foram as mais graves coisas que eu ainda não tinha visto!
Mas que, por fim, eu vi.


(Júlio B.)
www.000webhost.com