Início | Versos | Prosas | Músicas | Sobre Mim


Como Dar Pouco

Mas eu voltei porque quis.
Eu podia ter sido mais esforçado, mais empenhado.
Podia ter me preocupado.
Deixar a mente livre também tem seu custo.
Dei pouco de mim pra não voltar, e dou menos agora no que faço.
Voltei às pedras porque eram melhores do que os espinhos.

Mas eu posso ainda ser negligente,
ou ser responsável, tanto faz.
No fundo, é só o contínuo exercício de continuar vivo.
Respirando, comendo, ganhando dinheiro,
reclamando da solidão.
Nada de novo aqui, eu sei.
É que a negligência bem disfarçada até que me cai bem.

Mas eu posso fugir quando eu quiser.
Posso abandonar facilmente o fardo da pressão que está sobre mim,
em minha cabeça, em meus papéis.
A dependência é pequena, e as possibilidades são muitas.
Só o tempo é que é pouco.
Mas este o seria de qualquer forma.
E eu posso tranquilamente fugir de casa só com uma trouxinha nas costas.

(Pra colocar a minha casa em ordem.)


(Júlio B.)
www.000webhost.com