Início | Versos | Prosas | Músicas | Sobre Mim


Uma Outra Maneira

Miro o meio, mas vivo pelas bordas.
Nem estão tão apertadas as cordas
que me prendem aqui nesse mundinho,
mas fugir agora não seria o caminho.

Penso de um jeito e ajo do oposto.
Respiro fundo e me seguro no encosto.
O vento dos perigos até fere o rosto,
mas o objetivo é exatamente o meu gosto.

Gosto da ideia de estar em busca,
gosto mesmo quando é mudança brusca.
Gosto de flertar com o impossível
e quando o caos faz tudo imprevisível.

Gosto da consciência de existir,
gosto de pensar no que está por vir.
Gosto de sentir meu corpo ativo,
gosto do meu intelecto produtivo.

Gosto de me sentir apenas aqui dentro,
assim, diferente, sem norte, sem centro.
Aprendendo a ser de tantas maneiras,
sem eira, nem beira, nem fronteiras.

Admiro e me alimento de belezas,
modelo formas, intelectualizo purezas,
encontro migalhas demarcando caminhos,
às vezes sigo, outras luto com moinhos.

Gosto de não ter rumo, de andar a esmo.
Gosto muito de conversar comigo mesmo.
Gosto de sentir o peito apertado,
de sonhar perdido, de sentar cansado.

Gosto de escrever meus devaneios
em versos assim, cheios de anseios,
não-métricos, metalinguísticos,
souvenirs de labirintos turísticos.

Gosto de mudar tudo num rompante.
Gosto de me sentir insignificante
diante da imensidão do universo.
Gosto acima de tudo de ser diverso.

Gosto até dessa solidão açoiteira,
mas quando ela vem de uma outra maneira.
O principal do que fiz, eu fiz porque quis.
Gosto de ser assim, apesar de não ser feliz.


(Júlio B.)
www.000webhost.com